Programa Residência Pedagógica MEC/CAPES 2018
4.8 (96%) 220 votos
Residência Pedagógica

Residência Pedagógica

MEC vai investir R$ 1 bilhão para Formação de Professores

O MEC lançou a Política Nacional de Formação de Professores nesta quarta-feira, 18.

Inédita no país, a política, que demanda um investimento de aproximadamente R$ 2 bilhões, abrange desde a criação de uma Base Nacional Docente até a ampliação da qualidade e do acesso à formação inicial e continuada de professores da educação básica.

Vagas Residência Pedagógica

Só no Programa de Residência Pedagógica, o MEC vai ofertar 80 mil vagas a partir de 2018..

O que é o Programa Residência Pedagógica?

A residência pedagógica é um caminho que vai facilitar a amplitude do conhecimento prático profissional e a melhora da qualidade do ponto de vista de lecionar dentro da sala de aula”, completou.

A boa formação de professores é fundamental e tem um impacto direto dentro da sala de aula, principalmente, na questão da qualidade do ensino e do aprendizado das crianças e jovens nas escolas de educação básica do Brasil”, destaca o ministro da Educação, Mendonça Filho.

“Um dos compromissos do MEC é valorizar o papel do professor e, ao mesmo tempo, iniciar essa valorização a partir da formação, com qualidade e reconhecimento.

Como Funciona o Programa Residência Pedagógica?

A Residência Pedagógica faz parte da modernização do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) e traz novidades, como a formação do estudante do curso de graduação, que terá estágio supervisionado, com ingresso a partir do terceiro ano da licenciatura, ao longo do curso, na escola de educação básica.

Residência Pedagógica

Qual é o Objetivo da  Residência Pedagógica?

O objetivo principal é a melhoria da qualidade da formação inicial e uma melhor avaliação dos futuros professores, que contarão com acompanhamento periódico.

O programa tem como requisito a parceria com instituições formadoras e convênios com redes públicas de ensino.

Inscrições Residência pedagógica

A residência pedagógica será realizada pela primeira vez neste ano e consiste em um programa nacional de estágio supervisionado para estudantes de licenciatura.

O estágio já é obrigatório na formação dos licenciados, com carga horária mínima de 400 horas, mas cada instituição é livre para definir diversos critérios.

Pela residência pedagógica, que também oferecerá 45 mil vagas, a participação está restrita apenas aos estudantes matriculados a partir do 5º período ou da segunda metade do curso de licenciatura.

Eles terão um orientador na universidade e um preceptor, que será o professor de educação básica atuante na escola participante responsável por supervisionar o estágio.

As 400 horas de carga horária incluem 60 horas de aclimatação na escola, 320 horas de experiência em sala de aula, incluindo 100 horas de regência, e 60 horas de atividades de avaliação.

Cronograma do Pibid e da residência pedagógica

Cronograma do Pibid e da residência pedagógica

Cronograma do Pibid e da residência pedagógica

  • 1º de março: lançamento do edital
  • 7 de março a 16 de abril: Inserção do currículo dos coordenadores institucional e de área na Plataforma Freire
  • 27 de março às 18h de 16 de abril (horário de Brasília): Cadastramento da proposta no SiCapes
  • 25 de abril: Divulgação do resultado preliminar da primeira e segunda etapa
  • 26 de abril a 7 de maio: Prazo recursal
  • 14 de maio: Resultado final da primeira e segunda etapa
  • 26 de abril às 23h59 de 24 de maio (horário de Brasília): Manifestação de interesse por parte das redes de ensino/escola em participar do Pibid
  • 25 de maio: Publicação das escolas que manifestaram interesse
  • 28 de maio às 9 de julho (horário de Brasília): Terceira etapa: envio do Projeto Institucional de Iniciação à Docência pelas instituições
  • 26 de julho: Resultado da análise do projeto institucional

Flexibilização do ProUni

A Política Nacional de Formação de Professores vai flexibilizar as regras para bolsistas do Programa Universidade para Todos (ProUni) para o preenchimento de vagas ociosas.

A partir do próximo ano, os professores que desejam fazer uma segunda formação em cursos de licenciatura poderão entrar no programa sem a comprovação de renda.

O mesmo vai acontecer para o público geral interessado. Essa política de incentivo partiu do diagnóstico segundo o qual, das 56 mil bolsas para cursos de licenciatura, 20 mil estão ociosas.

Para concorrer a uma dessas vagas, os interessados deverão participar de uma segunda chamada após a seleção regular.

Formação continuada de Professores

A partir de 2018, o MEC também vai reservar 75% das vagas da Universidade Aberta do Brasil (UAB) para a formação de professores que cursem seu primeiro ou segundo curso de licenciatura.

A estratégia faz parte da política de continuidade da retomada da UAB, que não ofertava vagas desde o ano de 2014 e que, só em 2017/2018, oferece 250 mil vagas.

O objetivo é investir, ainda, na ampliação de cursos de mestrado profissionalizante, abrangendo todas as áreas e componentes curriculares da BNCC.

Serão oferecidos mestrados profissionais para professores de educação básica, cursos de especialização e o aumento da cooperação internacional nessa formação.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social – MEC

Cronograma do Pibid e da residência pedagógica